As reações de brasileiros e brasileiras à pandemia (e um breve olhar de gênero)

Priscila D. Carvalho e Victoria Frois

A pesquisa A Cara da Democracia no Brasil, em 2020, incluiu uma bateria de perguntas sobre a pandemia do COVID-19. As questões trataram de mudanças na rotina e adesão à quarentena, da avaliação da resposta do presidente ao novo coronavírus, avaliação do SUS e, por fim, sobre responsabilidades de governadores, prefeitos e governo federal na pandemia. Foram entrevistadas mil pessoas, 47,5% homens e 52,5% mulheres, no início de junho.[1]

Apenas 3,7% dos brasileiros mantiveram sua rotina inalterada desde que estados e municípios passaram a adotar medidas de distanciamento social. Entre os que mudaram o cotidiano, praticamente a metade está “tomando cuidado, mas sai de casa para trabalhar e fazer outras atividades”, enquanto outros 37,4% só saem de casa quando é inevitável. Por fim, 9,3% das pessoas não estavam saindo de casa até o período da pesquisa.